quinta-feira, novembro 9

Save our planet




A Europa, considerando a UE, a Suiça e e Noruega, é vista como um dos principais potenciadores de lixo marinho nos oceanos, sendo um dos maiores produtores, consumidores e exportadores de plástico e de resíduos de plástico do mundo. Em 2014, a Europa produziu 20% do plástico mundial - o que equivale a 59 milhões de toneladas, das quais 39,8% se destina a embalagens de plástico, doa s quais 30,8% acaba em aterros. Estima-se que os europeus utilizem, em média, 100 mil milhões de sacos de plástico. 
São estes os valores que vocês desconhecem. E são estes os valores para os quais cada um de nós contribui todos os dias.

A contaminação do meio marinho com plásticos adquiriu proporções verdadeiramente preocupantes nestes últimos anos. Isto tem vindo a ser notório pelo aumento das ilhas de plástico que se têm vindo a formar nos oceanos. Estima-se que em 2050 exista mais plástico nos oceanos do que peixes. 

Todos os anos entram milhões de toneladas nos oceanos. Destes, apenas uma fração muito pequena fica à superfície. A maior parte do plástico dissemina-se nas águas dos oceanos, o que vai ter um impacto muito significativo  nas espécies marinhas, nomeadamente aves, tartarugas e mamíferos marinhos.

Atualmente, também se tem vindo a notar a contaminação generalizada das cadeias tróficas por microplásticos, tendo sido encontrada a sua presença em várias espécies marinhas (peixes) e até no sal marinho. Por isso, mesmo sem saber, podes estar a ingerir plástico.

O que podes fazer?
Deixa de usar plástico - sacos de plástico, embalagens de plástico, palhinhas, garrafas de água, etc. Hoje consegues encontrar uma enorme quantidade de substitutos para todos os itens feitos originalmente de plástico, que são reutilizáveis, e muito mais benéficas para a tua saúde e para o ambiente.

Eu não quero viver num mundo em que o plástico predomina. Tu queres? 


Com amor, 
Anna.

sábado, novembro 4

25 fotografias de gratitude

To read in english click HERE


"Gratitude helps us to see what is there instead of what isn't." 
O sentimento de gratidão faz uma grande diferença na vida de cada um. Praticar gratidão ajuda-te em vários níveis: ajuda a combater a depressão, diminuir a ansiedade, ajuda a aceitares-te a ti própria/o, faz-te feliz.

A gratidão é uma escolha. Tu decides se te queres sentir grato pelo que tens. Seja uma coisa pequenina, como estar grato pela luz do sol, como algo grande que possa acontecer na tua vida.
A gratidão é uma prática. Vais sentir a diferença se o fizeres diariamente. Vais começar a dar mais valor ao que tens.
Quanto mais grato fores, vais-te sentir mais presente, no agora.

Há várias formas de praticar este sentimento de gratidão. E eu venho sugerir-te uma, e gostaria que me acompanhasses neste pequeno desafio. 

A ideia surgiu naturalmente. A verdade é que se nos sentirmos gratos todos os dias por alguma coisa, tudo muda, tudo fica diferente.

Venho desafiar-te: Durante 25 dias, publica uma fotografia de algo pela qual te sintas grato por existir. Pode ser algo pessoal, que te pertença a ti; pode ser algo externo que pertença ao mundo. Pode ser uma folha, uma frase, um livro, o céu, a lua, as estrelas. Pode ser qualquer coisa.
O que te estou a pedir é que, até ao final mês de Novembro, todos os dias publiques uma fotografia de algo pela qual te sintas grato.

Acompanhas-me neste desafio?
Irei começar segunda feira, dia 6 de Novembro, até dia 30. Irei fazê-lo no Instagram, e podes identificar-me na fotografia para que eu possa ver, e usar a hashtag #25picsofgratitude. 
Quero muito ver as vossas fotografias! Participa no Instagram ou no Facebook :)
Conto contigo?


With love, 
Anna.


quarta-feira, novembro 1

Dia Mundial do Veganismo + receita

Hoje, 1 de Novembro celebra-se o Dia Mundial do Veganismo.
Uma forma de o celebrar é deixares fora do teu prato todo e qualquer ingrediente animal!
Trago-te uma receita super fácil e prática. Comer comida sem crueldade nunca soube tão bem!

A receita é de um hambúrguer de feijão com batata doce. Foi escrita pela minha querida Cláudia, e é uma delicia! Ela optou para fazer também o pão.



Pão:
Ingredientes:

2 Colheres de sopa de linhaça moídas
6 Colheres de sopa de água morna (para a linhaça)
100 ml de água morna
150 ml de bebida de soja
40 ml de óleo de amendoim
1 Colher de sopa de azeite
1 Colher de sopa de óleo de coco derretido (não consta na receita original)
1/4 Colher de chá de flor de sal
11g de fermento de padeiro seco
100g de farinha de quinoa
100g de farinha de cevada
300g de farinha espelta
Água para pincelar
Sementes de sésamo douradas (e acrescentei também pretas)

- Numa tigela colocar a linhaça e a água. Envolver bem e deixar hidratar por 5 minutos. Mexendo ocasionalmente. 
- Aquecer a água e a bebida vegetal em recipientes separados. Misturá-los depois de quentes e adicionar os óleos, o azeite, a flor de sal, o fermento. Misturar com uma vara de arames, até obter uma mistura uniforme.
- Num recipiente à parte dos líquidos, misturar as farinhas. E aos poucos ir adicionando a mistura dos líquidos e envolver com as mãos. Quando a massa começar a descolar do fundo do recipiente está pronta para ser moldada.
- Polvilhar a bancada com farinha de espelta e amassar mais um pouco. Dividir a massa a gosto. Esta receita a mim, rendeu-me 7 pãezinhos generosos.
- Colocar uma folha de papel vegetal num tabuleiro de ir ao forno e distribuir os pãezinhos, de modo a não ficarem muito juntos, porque vão a levedar e necessitam de espaço.
- Pincelar todas as bolinhas com água, eu utilizo um frasco pulverizador e distribuir as sementes de sésamo a gosto pelos pãezinhos.
- Levar ao forno, na função levedar, cerca de 30 minutos ou até terem duplicado de volume.
- Se o fosso forno não tiver esta função, podem sempre pré aquecer o forno a 100º enquanto fazem a massa. Colocar o tabuleiro e desligar o forno.
- Depois dos pães levedados, ligar o forno a 180º durante cerca de 25 minutos. ´


Batata Doce:
Ingredientes:

1 Batata doce generosa
1 Colher de sopa de azeite aromatizado com orégãos
1 Colher de sopa de azeite aromatizado com alho
Flor de sal a gosto

- Com a ajuda de uma mandolina, cortar a batata doce, já sem casca em palitos na espessura desejada. Quanto mais grossos, mais tempo demorará.
- Num recipiente que vá ao forno, regar as batatas com o azeite e temperar com a flor de sal. Envolver tudo e levar ao forno pré aquecido a 200º até estarem douradinhas a gosto. As minhas demoraram cerca de 15 minutos, mas tinha optado por palitos de batata doce finos.


Hambúrguer de feijão:
Ingredientes:

400 g feijão branco (utilizei enlatado)
120 g de quinoa 
250 ml p/ cozer a quinoa
Flor de sal
1 Colher de sopa de linhaça moída
6 Colheres de sopa de água (p/ a linhaça)
80g de cogumelos frescos crús
100g de brócolos crus
3 Colheres de chá cheias de puré de beterraba
1 Cebola média
3 Dentes de alho
2 Colheres de sopa de azeite
1 Colher de chá de paprica
1 Colher de chá de orégãos secos
2 Colheres de sopa de sumo de limão
80 g de farinha espelta

- Num tacho colocar a água e deixar que a mesma ferva. Acrescentar a quinoa e o sal, deixar cozinhar em lume brando. Quando já não existir água no tacho, desligar o lume.
- Juntar a água e a linhaça numa taça e misturar. Mexendo ocasionalmente.
- Num processador de alimentos ou robot de cozinha (Yammi, Bimby, etc), juntar todos os legumes, a quinoa, o feijão branco e os temperos bem como o azeite. Triturar.
- Quando tiver um puré mais ou menos homogéneo, acrescentar a farinha pouco a pouco e ir amassando no robot. Poderá fazê-lo à mão.
- Levar o preparado ao frigorífico de modo a que fique mais consistente e seja mais fácil moldar os hambúrgueres. Ou se tiver com mais pressa pode sempre levar ao congelador.
- Retirar o preparado do frio e moldar bolinhas do tamanho desejado.
- Distribuir as bolinhas num tabuleiro de forno, onde previamente colocamos uma folha de papel vegetal. Achatá-las, para que fiquem em forma de hambúrguer. 
- Pincelar os hambúrgueres levemente com azeite ou podem sempre utilizar azeite em spray, que foi o que fiz.
- Levar ao forno pré aquecido a 200º, cerca de 30 minutos, virando a meio do tempo.


Atreves-te a experimentar? 


With love, 
Anna.

domingo, outubro 15

Erros na meditação

To english version click HERE.



Depois de dar uma rápida vista de olhos pelos posts sobre este assunto, apercebi-me que nunca falei aqui de duas coisas: o que é a meditação  e os erros mais comuns que as pessoas praticam, achando que é assim que deve ser. Ninguém precisa de tirar um curso para conseguir meditar, mas existem ainda algumas crenças que não passam de mitos que vos podem levar a não ter tanto sucesso nesta prática.

Meditar é ficar familiarizado com a própria mente, de maneira constante e profunda. Não tem mais nada que saber. Há vários tipos de meditação - o mais conhecido será a meditação através da respiração - a que eu aconselho, e que adoro.

O erro  mais comum, é achar que a meditação serve para esvaziar a mente. Não pensar em nada. A verdade é que se a forma correta de meditar fosse com o objetivo de não pensar em nada, nunca ninguém conseguiria meditar. Não pensar é simplesmente impossível. A ideia é acalmar a mente. Talvez silencia-la. O objetivo é esse. Não deixar de pensar, mas silenciar os pensamentos.
É importante saber que podem começar a sentir os benefícios da meditação logo na primeira vez  que praticarem. Claro que, para que esta tenha sucesso, a longo prazo, precisam de levar uma prática regular. Simples como sentarem.se, fechar os olhos, e respirar fundo 10 vezes.
- Em vez de tentarem esvaziar a vossa mente de todos os pensamentos, tentem apenas concentrar-se num. E observa o que acontece.

O segundo erro é achar que precisam de meditar durante períodos longos de tempo. Não. Há quem o faça, mas é apenas por opção. Este pensamento irá forçar-te a uma prática na qual não te sentirás confortável. Os benefícios da meditação vêm da qualidade e não da quantidade de tempo. Stressar sobre se estás ou não a meditar tempo suficiente, é uma preocupação que te vai fazer não ter sucesso na prática. Consegues encontrar um local calmo, onde te possas sentar durante alguns minutos e fechar os olhos enquanto fazes exercícios de respiração? Consegues encontrar um local onde te possas sentar tempo suficiente para relaxar os músculos do teu corpo?
São essas as qualidades de uma boa prática de meditação. Com o tempo, podes aumentar ao quantidade de tempo, se te sentires confortável com isso. Se só tiveres 4 minutos, é suficiente.

O terceiro erro é achar que a meditação é acerca da espiritualidade. Isto, em vez de reconhecer que a meditação é uma ferramenta para manter o equilíbrio e controlar os níveis de stress  aos quais submetemos o nosso corpo. A meditação não pertence a nenhuma religião ou filosofia de vida especifica. Esta prática tem sido usada há séculos com o objetivo de manutenção mental, emocional e saúde física. Não a deixes de lado por não te considerares uma pessoa espiritual.
A ciência tem vindo a atribuir inúmeros benefícios à meditação, e pode ser uma ferramenta fundamental que te irá ajudar a cumprir os teus objetivos.

Não caias nestes erros, e começa esta prática no teu tempo.


Com amor

Anna.

terça-feira, outubro 3

Tips to get you going (vegan)

PT

Não tenhas pressa nem queiras ser perfeito. Vais cometer erros, principalmente no inicio. Acontece. A solução é fazer o melhor possível.

Fazer a transição, pode ser complicado para quem não tem qualquer tipo de informação ou aconselhamento sobre o assunto. Por isso, antes de tudo, informa-te. Lê blogs, lê livros, tenta conhecer os nutrientes que necessitas, tudo.

Tip 1.
A primeira coisa que precisas de fazer, depois de te informares, é procurar a motivação certa para fazeres a mudança. Podes ver AQUI algumas das razões que te poderão levar a fazê-lo. Pensa bem no que queres, nos teus objetivos, o que pretendes com a mudança para uma alimentação vegetariana. Vê alguns documentários sobre o assunto, que te podem ajudar na mudança.

Tip 2.
Achas que comes pouco? Achas que comes muito? Então prepara-te. Com uma alimentação à base de plantas, vais comer, e muito. Muito provavelmente vais ter de acertar as quantidades do que comes, e as vezes que comes, por dia. Isto tem um maior impacto quando decides seguir uma alimentação plant based, com whole foods. Com o tempo, tu e o teu corpo vão se habituar a este tipo de alimentação.

Tip 3.
Prepara-te para andar com comida atrás. Apesar de já haver imensas opções fora, em restaurantes, cafés, etc., a verdade é que podes ter o azar de estar em qualquer lado sem nada para comer. Nestas alturas, principalmente no inicio, podes cair na tentação de comer alguma coisa que contenha produtos animais e que vai contra o que estás a tentar fazer. Por isso, é sempre aconselhado (muito!) que andes com snacks sempre à mão. Frutos secos, barrinhas, fruta fresca ou desidratada. Se for hora de refeições principais, podes optar por marmitas.

Tip 4. 
Recorre a "substituições". No inicio, acaba por se tornar muito mais fácil fazer substituições dos produtos animais pela sua versão vegetariana- Substitui o leite de vaca por bebidas vegetais, o queijo por queijo vegan, a carne por soja, seitan, tofu, tempeh. Opções não te faltam.
Substitui também a comida rápida por comida rápida saudável. Substitui o açúcar por tâmaras, cereais brancos por cereais integrais. Com o tempo, saberás melhor o que o teu corpo quer e precisa.

Tip 5.
Informa-te. Já falei disso, mas é para que percebas a importância que a informação tem. Há cada vez mais publicidade enganosa com o intuito de confundir os consumidores, mostrando imagens de animais em fazendas, que estão "felizes", que falam dos supostos benefícios de consumir produtos animais. A verdade é - uma dieta plant based/vegetariana é a melhor para ti. É a melhor coisa que podes fazer por ti, pelos animais e pelo planeta. Precisas de te preparar, ter conhecimentos para que não sintas necessidade de te questionar se és tu que estás certa e não as outras pessoas. Há imensos livros sobre o assunto, documentários fantásticos e super informativos. Conhecimento nunca é demais. 

Tip 6. 
Liga-te a outras pessoas como tu. Já existem inúmeros grupos no facebook dedicados apenas ao vegetarianismo e veganismo. É uma ajuda fundamental - teres a liberdade de falar das tuas dúvidas, do teu sucesso. Acompanhar a transição de outras pessoas, e aprender com as jornadas de cada um. Vais encontrar sempre alguém que está disposto a ajudar-te. 

Saltar de uma dieta omnívora para uma dieta 100% vegetariana da noite pro dia pode resultar para alguns, mas pode também dar muito errado. Cabe-te a ti decidir como o fazer. Vai ser mais difícil, obviamente, caso tenhas uma dieta pobre em verduras e frutas.
Mas é possível. É fácil. Só precisas de querer.


With love
Anna.

Mais dicas aqui


EN

Don't be in a hurry or even want to be perfect. You're going to make mistakes, especially at the beginning. It happens. The solution is to do the best you can.

Making the transition can be tricky for those who don't have any kind of information or advice on the subject. So, first of all, inform yourself. Read blogs, read books, try to know the nutrients you need, everything.


Tip 1.
The first thing you need to do, after you find out, is to look for the right motivation to make the change. You can see HERE some of the reasons that may lead you to do so. Think about what you want, in your goals, what you want with the change to a vegetarian diet. Check out some documentaries on the subject that can help you with the change.

Tip 2.
You think you eat little? Do you think you eat too much? So get ready. With a plant based diet, you will eat, and a lot. Most likely you will have to correct the amounts of what you eat, and the times you eat, per day. This has a greater impact when you decide to follow a plant-based diet with whole foods. In time, you and your body will get used to this type of food.

Tip 3.
Prepare to have food with you all the time. Although there are already lots of options outside, in restaurants, cafes, etc., the truth is that you can have the bad luck to be anywhere with nothing to eat. At this point, especially at the beginning, you may fall into the temptation to eat something that contains animal products and that goes against what you are trying to do. Therefore, it is always advised (a lot!) To walk around with snacks always at hand. Dried fruits, bars, fresh or dehydrated fruit. If it's time for main meals, you can opt for kettles.

Tip 4.
Use "substitutions". In the beginning, it becomes much easier to make substitutions of animal products for their vegetarian version. Replaces cow's milk for vegetable drinks, cheese for vegan cheese, meat for soy, seitan, tofu, tempeh. Options don't lack.
A
lso, replace bad fast food with healthy fast food. Substitute sugar for dates, white cereals for whole grains. Over time, you will know better what your body wants and needs.

Tip 5.
Inform yourself. I've already told you this, but it's for you to realize the importance of information. There is more and more misleading advertising aimed at confusing consumers by showing images of animals on farms that are "happy" about the alleged benefits of consuming animal products. The truth is - a plant based / vegetarian diet is best for you. It's the best thing you can do for yourself, the animals and the planet. You need to prepare yourself, have knowledge so that you do not feel the need to question yourself if you are the one who is right and not the other people. There are lots of books on the subject, fantastic documentaries and super informative. Knowledge is never too much.

Tip 6.
Connect with other people like you. There are already numerous groups on facebook dedicated solely to vegetarianism and veganism. It is a fundamental aid - you have the freedom to speak of your doubts, your success. Accompany the transition of other people, and learn from each other's journeys. You will always find someone who is willing to help you.

Jumping from an omnivorous diet to a 100% vegetarian diet overnight may prove to work for some, but it can also go awry. It's up to you to decide how to do it. It will be harder, obviously, if you have a diet low on vegetables and fruits.

But it is possible. Is easy. You just need to want to.

With love, 
Anna.

More tips here

segunda-feira, outubro 2

Reasons why you should go vegan!



PT

Dia 1 de Outubro de 2017 celebra-se o Dia Mundial do Vegetarianismo. Dai, o blog, durante toda a semana, terá apenas posts dedicados a esse tema!

Cada vez mais se vê e se fala de pessoas a fazerem a transição para uma dieta livre de crueldade. Cada vez mais se vê famosos a escolherem este estilo de vida. Não deixa de ser fantástico, independentemente das razões pelas quais o façam.

A dieta que escolhemos para nós, assim como o estilo de vida, é o que mais nos vai afetar na vida. Se tiverem uma alimentação pobre em nutrientes e vitaminas, com consumo diário de fast food, comida congelada, comida carregada de sal e açúcar, não me parece que alguém acredite que está a caminhar para uma vida mais saudável. Somos o que comemos. Esta é a mais pura das verdades.
Como consumidores, também cabe a nós educar terceiros. O nosso dinheiro conta. Há cada vez mais empresas de leite de vaca a fechar ou a trocar de produtos, porque cada vez menos se consome leite de vaca. Nós temos o poder de votar com o nosso dinheiro.

Sabiam que uma pessoa com uma alimentação 100% vegetariana poupa, todos os dias, 1100 litros de água, 45 kg de grãos/cereais, mais de 9000 metros de terra, cerca de 9kg de CO2 e a vida de um animal

É provável que já conheçam vários motivos pelos quais as pessoas decidem deixar de comer produtos de animais. Cada um tem o seu motivo e a sua motivação para o fazer. Se estás à procura de um motivo para ti, vou dar-te alguns:

  • Por compaixão pelos seres sencientes - mesmo que para muitas pessoas, o motivo ético não seja suficiente, para outros tem força suficiente para nunca mais pensarem em consumir produtos provenientes de um animal. Poupar a vida de um ser vivo é sempre a coisa certa a fazer, principalmente seres inocentes. Existe imensa publicidade de "animais" felizes, com o intuito de enganar os consumidores, e enganar a nossa consciência. Isto não acontece só com a industria da carne, também acontece com a indústria dos ovos e lacticínios. 
  • Recursos e fome mundial - pelo mundo inteiro, há seres humanos a sofrer devido à grande procura de produtos animais. Os recursos que temos atualmente no mundo chegavam para alimentar cerca de 10 bilhões de pessoas, enquanto que o planeta Terra só tem 7 bilhões de pessoas. No entanto, 50% dos grãos plantados são para alimentar animais nas indústrias. 82% das crianças que moram perto das plantações de grãos estão a morrer de fome. E a carne dos animais alimentados com estes grãos vão para os países de 1º mundo, ou seja, os países ricos e mais desenvolvidos. Por outro lado, a indústria animal usa quantidades abomináveis de água, que dariam para matar a sede a dois mundos. Ao ser vegan, cada pessoa poupa cerca de 2,744,139 litros, por ano. Agora pensem no poder que cada um tem. Tu, sozinho, podes fazer a diferença.
  • Os produtos animais são contaminados - cada vez que te sentas para comer um prato com carne, ovos ou lacticínios, estás a comer também bactérias, antibióticos, dioxinas e muitas outras toxinas que podem causar graves problemas de saúde. Uma grande quantidade da carne entregue nos EUA estão contaminadas com E. coli, listeria e outras bactérias que sobrevivem nos intestinos dos animais, na própria carne e nas suas fezes.
    Existe um abuso imenso no uso de farmacêuticos nos animais, logo desde nascença. Isto vai encorajar o aparecimento de novas bactérias, que deixam de ser eliminadas com os antibióticos o que leva a um aumento de antibióticos, e acaba por deixar de existir animais 100% puros, porque nascem já imunes aos antibióticos e doentes. Muitos destes medicamentos usados nos animais contém também fatores cancerígenos. E as hormonas já naturalmente presentes nos animais podem causar obesidade e desenvolvimento de células cancerígenas. 
  • Não existe nenhuma necessidade de nos alimentarmos de animais - a morte dos animais na indústria é desnecessária e só traz sofrimento para os animais - é um ato puramente cruel. Não há qualquer prova cientifica de que os seres humanos precisem de qualquer tipo de produto animal para sobreviverem e serem saudáveis. Muito pelo contrário. É puramente um comportamento que aprendemos, quais os animais que devemos comer, e os que não devemos comer - especismo. Animais puramente conscientes, com personalidade, inteligentes, e com coração. Também não somos vitelos para beber leite de vaca. Nem temos necessidade de comer a menstruação da galinha. Sem necessidade de dizer, os animais também não querem morrer. Assim que conseguires entender isto, fizeres a conexão e começares a dar os primeiros passos para mudar, irás ver que os conflitos que existem com a tua moral irão desaparecer. 
  • Meio ambiente e a mudança climática - cerca de 51% da poluição do nosso planeta provém da indústria animal. Um hambúrguer produz mais CO2 que um carro em 3 semanas. Os animai selvagens também sofrem com isto, vêm os seus habitats naturais a ser eliminados. Estamos a viver uma extinção em massa de animais idêntica à era dos dinossauros. É muito possível que, em 2050, os oceanos não tenham nenhum peixe. É este o mundo em que queres viver? 
  • Tratar ou prevenir doenças - a nossa saúde é (ou deveria ser) a coisa mais valiosa na nossa vida. Qualquer medida que melhorasse ou ajudasse a prevenir danos na saúde, deveria ser adotada por todos. E, na maior parte dos casos, a qualidade da nossa saúde está nas nossas mãos. Cada vez mais estudos e organizações de saúde defendem que uma dieta vegetariana bem planeada é a mais saudável - menos riscos de diabetes, doenças cardíacas, obesidade, colesterol elevado, e até cancro. Uma dieta 100% vegetariana é, muitas vezes, mais efetiva do que medicações e cirurgia.
  • Fitness - não, nem todos os vegetarianos são magros. Há vários tipos de dieta, até no vegetarianismo. Se és vegetariano, mas te alimentas predominantemente de comida de "plástico", congelados, comida pré-feita, então não irás sentir grandes benefícios. Mas uma dieta equilibrada ajudara-te a perder o peso que desejas, para que possas ficar e sentir - te mais saudável. Mesmo que faças exercício físico, a proteína vegetal é muito mais saudável para o eu corpo e para os teus músculos. Como Robert Cheeke (bodybuilder vegan) diz:
    "No matter what sport you’re involved in and no matter the level of performance you’re shooting for, you get the best nutrition and plenty of protein from a whole food, plant-based diet.".
  • Melhora a tua digestão e pele - não sei se sabem, mas estes dois estão conectados um com o outro. Uma má pele pode muito bem ser provocada pela má digestão. O segredo de ter ambos saudáveis é a alimentação, mais uma vez. Se te livrares de gorduras (produtos animais, óleos...) vais sentir uma melhoria tanto na pele como na digestão. A fibra que se encontra nas frutas e legumes irá te ajudar na digestão, para além de ter um monte de vitaminas e minerais. Vai ajudar também na eliminação de toxinas - dai a melhoria na pele!
  • Nunca antes foi tão fácil - apesar de não saberes, existem imensos produtos que são acidentalmente vegan. é provável que já consumas alguns. Tens inúmeras opções no que diz respeito às bebidas vegetais. Tens já vários tipos de iogurtes, até queijo, fiambre e bacon completamente livres de produtos animais. Tens substitutos de carne. Tens imensos restaurantes com opções vegetarianas, e se não tiverem, arranja.se sempre alguma coisa. Tens tudo para seres bem sucedido na tua mudança. Tens novos sabores, novos pratos, novos ingredientes - todo um mundo novo de comida à tua espera.

O que é que te está a prender? 

With love, 
Anna.


EN

October 1, 2017 World Vegetarian Day is celebrated. So, throughout the week the blog will only have posts dedicated to this topic!

More and more people are seen and talked about to make the transition to a cruelty-free diet. More and more celebrities are choosing to choose this lifestyle. It is fantastic no matter what the reasons.


The diet we choose for ourselves, as well as the lifestyle, is what will affect us most in life. If you have a diet low in nutrients and vitamins, with daily consumption of fast food, frozen food, food loaded with salt and sugar, I do not think anyone believes they are moving towards a healthier life.

We are what we eat. This is the purest of truths.As consumers, it's up to us to educate others. Our money counts. There are more and more cow milk companies closing or exchanging products, because less and less cow's milk is consumed. We have the power to vote with our money.

Did you know that a person with 100% vegetarian food saves 1100 liters of water, 45 kg of grains / cereals, more than 9000 meters of soil, about 9 kg of CO2 and the life of an animal in one day?

You probably already know several reasons why people decide to stop eating animal products. Each has its motive and motivation to do so. If you are looking for a reason for yourself, I will give you some:

  • Out of compassion for sentient beings - even if for many people the ethical motive is not enough, for others it is strong enough never to think of consuming products from an animal. Saving the life of a living being is always the right thing to do, especially innocent beings. There is a lot of publicity about happy "animals" in order to deceive consumers and deceive our conscience. This is not the case with the meat industry, but also with the egg and dairy industry.
  • Resources and world hunger - all over the world, there are human beings suffering because of the great demand for animal products. The resources we currently have in the world came to feed about 10 billion people, while the planet Earth only has 7 billion people. However, 50% of planted grains are used to feed animals in industries. 82% of the children living near grain crops are starving. And the meat of the animals fed with these grains goes to the countries of 1st world, that is, the rich and more developed countries. On the other hand, the animal industry uses abhorrent amounts of water, which would quench thirst for two worlds. Being vegan, each person saves about 2,744,139 liters per year. Now think of the power that each one has. You alone can make a difference.
  • Animal products are contaminated - every time you sit down to eat a plate of meat, eggs or dairy products, you are also eating bacteria, antibiotics, dioxins and many other toxins that can cause serious health problems. A large amount of meat delivered in the US is contaminated with E. coli, listeria and other bacteria that survive in the animals' intestines, in the meat itself and in their feces. There is immense abuse in the use of pharmaceuticals in animals from birth. This will encourage the emergence of new bacteria, which are no longer eliminated with antibiotics, which leads to an increase in antibiotics, and end up leaving 100% pure animals because they are born already immune to antibiotics and patients. Many of these medicines used on animals also contain carcinogenic factors. And hormones already naturally present in animals can cause obesity and the development of cancer cells.
  • There is no need to feed on animals - the death of animals in industry is unnecessary and only brings suffering to animals - is a purely cruel act. There is no scientific proof that humans need any kind of animal product to survive and be healthy. Quite the opposite. It is purely a behavior we learn, which animals we should eat, and which we should not eat - speciesism. Animals purely conscious, with personality, intelligent, and with heart. Nor are we calves to drink cow's milk. Nor do we need to eat the chicken's menstruation. Needless to say, animals also do not want to die. As soon as you can understand this, make the connection and begin to take the first steps to change, you will see that the conflicts that exist with your morals will disappear.
  • Environment and climate change - about 51% of our planet's pollution comes from the animal industry. A hamburger produces more CO2 than a car in 3 weeks. Wild animals also suffer from this, come their natural habitats to be eliminated. We are experiencing a mass extinction of animals identical to the dinosaur era. It is very possible that by 2050 the oceans will have no fish. Is this the world you want to live in?
  • Treating or preventing illness - our health is (or should be) the most valuable thing in our lives. Any measure that would improve or help prevent health damage should be embraced by all. And in most cases, the quality of our health is in our hands. Increasingly, studies and health organizations argue that a well-planned vegetarian diet is healthier - less risk of diabetes, heart disease, obesity, high cholesterol, and even cancer. A 100% vegetarian diet is often more effective than medications and surgery.
  • Fitness - No, not all vegetarians are skinny. There are several types of diet, even vegetarianism. If you are a vegetarian, but you eat predominantly from "plastic" food, frozen foods, pre-made food, then you will not feel great benefits. But a balanced diet will help you lose the weight you want, so you can stay and feel healthier. Even if you exercise, vegetable protein is much healthier for the body and for your muscles. As Robert Cheeke (vegan bodybuilder) says,"No matter what sport you're involved in and no matter the level of performance you're shooting for, you get the best nutrition and plenty of protein from a whole food, plant-based diet."
  • Improves your digestion and skin - I don't know if you know, but these two are connected with each other. Poor skin may well be caused by poor digestion. The secret of having both healthy is to feed once again. If you get rid of fats (animal products, oils ...) you will feel an improvement in both the skin and digestion. The fiber found in fruits and vegetables will help you in digestion, in addition to having a lot of vitamins and minerals. It will also help in the elimination of toxins - hence the improvement in the skin!
  • It has never been easier - despite not knowing, there are lots of products that are accidentally vegan. you may already have consumed some. You have plenty of options for vegetable drinks. You already have several types of yogurt, even cheese, ham and bacon completely free of animal products. You have meat substitutes. You have lots of restaurants with vegetarian options, and if they do not, you always get something. You have everything to be successful in your change. You have new flavors, new dishes, new ingredients - a whole new world of food waiting for you.

What's holding you?

With love, 
Anna.

quinta-feira, setembro 28

Beijinhos de cenoura e coco

PT

Uma coisa maravilhosa que este blog já me trouxe, foram as pessoas que já tive o prazer de conhecer. Uma delas destaca-se. A Cláudia. Numa das longas conversas que já tivemos, desafiei-a a fazer receitas 100% vegetarianas. Ela aceitou, e está aqui a primeira.
A Cláudia tem um blog nomeadamente de receitas, onde recentemente começou a introduzir outros temas, sendo um deles o zero waste - criou uma rubrica "Na minha cozinha sem desperdício", onde tenho o prazer de escrever para ela.
A Cláudia não é vegetariana. Mas, quem sabe!

Vamos à receita!

Ingredientes:
 200g de cenoura
 3 c sopa de geleia de arroz
 2 cups de coco ralado
 Raspa de um limão

Instruções:
1. Cozer as cenouras com uma pitada de sal
2. Depois de estarem cozidas, deixar escorrer durante algum tempo para que fiquem secas
3. Triturá-las com uma liquidificadora, robot de cozinha ou até uma varinha mágica
4. Juntar a geleia de arroz e misturar bem
5. Envolver manualmente o coco ralado e a raspa de limão, até obterem uma massa maleável mas grossa
6. Moldar pequenas bolas e envolver em coco ralado
7. Levar ao frigorífico para solidificarem
8. Retirar e servir (e comer!!!)


Experimentem e contem-me tudo!

With love
Anna.


Esta receita é baseada num dos livros da querida Gabriela Oliveira - "Cozinha vegetariana para bebés e crianças".